N.º 2 | Outubro de 2009

A campanha de vacinação contra o vírus H1N1, que arranca no dia 26 de Outubro, vai contar com 49 mil vacinas, as quais serão administradas aos grupos prioritários, nomeadamente os profissionais de saúde considerados "dificilmente substituíveis" e as grávidas "no segundo e terceiro trimestre de gravidez e com patologias graves associadas".

Outro grupo considerado prioritário é o dos profissionais que desempenhem "actividades essenciais", como funcionários de empresas que fornecem serviços de gás, electricidade, comunicações, segurança, saneamento e, também, os da comunicação social.

Várias são as empresas e particulares que têm recorrido a Seminários, Workshops ou Acções de Formação sobre a Prevenção da Gripe A, para a obtenção de informação fidedigna sobre os comportamentos adequados a adoptar face à actual situação de pandemia.

Constata-se que, apesar do cepticismo inicialmente sentido, a Formação e Informação se tem mostrado uma ferramenta crucial na prevenção e combate à Gripe A (H1N1).

As mulheres grávidas podem ter complicações graves com a gripe A, tal como acontece com a gripe sazonal, mas não têm mais probabilidades de contrair esta infecção. “A taxa de aborto espontâneo é três vezes maior nas grávidas que contraem gripe no primeiro trimestre de gestação, devendo estas evitar contactos que potenciem a infecção”, defende o presidente da Sociedade Portuguesa de Obstetrícia e Medicina Materno-Fetal.

A Comissária Europeia, responsável pela Agricultura e pelo Desenvolvimento Rural, Mariann Fischer Boel, lançou no passado dia 28 de Setembro, uma nova “Campanha Alimentação Saudável” que visa promover hábitos saudáveis e uma dieta equilibrada sobretudo entre as crianças. No plano Nacional, a importância de uma alimentação saudável para reforçar o sistema imunitário em tempo de gripe foi este mês enfatizada por Alexandra Bento, presidente da Associação Portuguesa dos Nutricionistas (APN) no âmbito de um curso sobre "Precauções alimentares em tempo de gripe".

O Plano de Contingência consiste num conjunto de medidas e acções que deverão ser aplicadas oportunamente, de modo articulado, em cada fase da evolução da pandemia da gripe.

O que se pretende com a implementação de um Plano de Contingência é assegurar o funcionamento da empresa e a prestação dos serviços aos seus clientes, apesar do absentismo laboral esperado durante o período de maior expressão da pandemia.