N.º 23 | Agosto de 2011

O Livro de Reclamações constitui um dos instrumentos que torna acessível o exercício do direito de queixa, ao proporcionar ao consumidor a possibilidade de reclamar, sem nenhum encargo, quando algo não corre bem na prestação de um serviço ou na compra de um produto. Mesmo que a entidade, a quem a queixa é enviada, já não possa solucionar o problema, esta forma de reclamar pode ajudar a evitar que outros cidadãos sejam prejudicados pelas mesmas razões. Todos os cidadãos devem saber como funciona o Livro de Reclamações, bem como as entidades que acompanham todo o processo inerente às queixas.

As idas à praia durante a época de Verão são, sem dúvida, um dos hábitos mais implementados na nossa cultura. Apesar dos alertas que abordam os efeitos nocivos associados a uma exposição prolongada ao sol, muitas são as pessoas que ignoram estas recomendações, adoptando comportamentos de risco. De facto, a exposição a períodos de calor intenso durante vários dias consecutivos constitui uma agressão para o organismo, podendo conduzir ao agravamento de doenças crónicas e originar situações que, pela sua gravidade, podem implicar o recurso a cuidados médicos de emergência (cãibras, desidratação, esgotamento, ou golpe de calor). 

Os indivíduos passam cerca de um terço da vida adulta no meio laboral, sendo este vulnerável aos problemas de consumo excessivo de álcool, os quais podem causar graves consequências no trabalho e na organização. De acordo com dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e da Organização Mundial de Saúde (OMS), 20 a 25 % dos acidentes de trabalho e 30% das mortes ligadas à actividade laboral, estão relacionados com o consumo de álcool.

A chegada do Verão traz consigo a época mais crítica em incêndios florestais. Estes, em Portugal Continental, constituem uma das catástrofes naturais mais graves, não só pela elevada frequência com que ocorrem e extensão que alcançam, como pelos efeitos destrutivos que causam. A prevenção passa por todos nós e baseia-se na adopção de algumas medidas de simples bom senso, sempre que haja risco de incêndio e sobretudo durante os períodos mais quentes e secos.