N.º 84 | Setembro de 2016

O Grupo 4Work disponibiliza semanalmente, a todos os seus parceiros, clientes e colaboradores, uma consulta de Medicina Desportiva.

 

O exercício físico e a prática desportiva são de uma importância fundamental para o bem-estar das pessoas e para o tratamento e prevenção de doenças. 

 

A Medicina Desportiva é uma especialidade médica que implica investigar a influência do exercício praticado por pessoas saudáveis e por pessoas doentes, com a finalidade de prevenir, tratar e reabilitar. 

 

Desta forma, esta especialidade compete avaliar e acompanhar os praticantes de atividade físico-desportiva antes, durante e após a prática desta atividade. Por outro lado, a Medicina Desportiva está direcionada não só para atletas de alta competição, assim como para pessoas que não sejam atletas, mas que procuram utilizar a atividade física como lazer e descontração.

 

A Medicina Desportiva está cada vez mais presente na sociedade. Nem que seja pelo sedentarismo e a dieta inadequada, como prováveis causas de morte mais frequente do que o tabagismo. A partir do ano 2000, a obesidade, que apresenta incidência e prevalência em ascensão, foi a responsável por cerca de 16,6% das mortes (400.000 óbitos) nos Estados Unidos da América, enquanto 18,1% das mortes está relacionadas com o tabagismo (435.000 óbitos), que mostra taxas decrescentes. Estas causas de óbito são passíveis de prevenção e a Medicina Desportiva atua direta ou indiretamente sobre ambas as causas. 

 

A atividade física deve ser vista, antes de tudo, como uma ferramenta mais importante da verdadeira medicina preventiva e a Medicina Desportiva como a especialidade responsável por sua supervisão na área médica. 

 

Presentemente, a sociedade exige cada vez mais necessidades, tanto nas áreas da prevenção, como terapêutica, promoção da saúde e também na alta competição. Acompanhando esta tendência e a efetiva expansão do mercado profissional é necessário formar cada vez mais médicos desta especialidade.

 

O mercado de trabalho, para um médico desta especialidade, é cada vez mais abrangente, podendo verificar-se a necessidade destes profissionais para exercer as suas funções em clubes desportivos ou até mesmo em escolas nomeadamente ligadas ao desporto, onde o estímulo e a orientação adequada da atividade física deve ser parte obrigatória dos programas de promoção da saúde.

 

O envolvimento desse especialista em todas estas ações, mais do que recomendável, deve ser mandatário por razões técnicas, profissionais e, sobretudo, éticas. A perspetiva de realização de uma competição de jogos (o Mundial de Futebol, o Euro, Jogos Olímpicos) cria uma situação favorável à visibilidade dessa especialidade e seu estabelecimento definitivo como uma grande área para a atuação profissional dos médicos com esta formação.

Lesionar-se a ver televisão, engasgar-se com uma maçã ou chocar com um alce… são situações, que apesar de muito estranhas, podem acontecer mesmo aos desportistas profissionais.

Com o intuito de prevenir um conjunto de situações consideradas estranhas ou outras ditas perigosas, os clubes têm os seus atletas com seguros de risco, que impõem nos contratos cláusulas que os proíbem de praticar desportos perigosos, mas, como qualquer pessoa, os atletas profissionais também estão sujeitos a cair na banheira ou a escorregar numa casca de banana.

Os Profissionais do Desporto são trabalhadores como quaisquer outros, que podem desempenhar atividades de risco. Não é disparate tratar este assunto, estabelecendo ligação com a área da Segurança e Higiene no Trabalho, com a identificação de riscos associados à atividade praticada, a elaboração de um plano de prevenção de riscos profissionais, análise de acidentes e/ou outros. 

Tal como o Médico de Medicina Desportiva, também o Médico com a especialidade da Medicina do Trabalho, faz a prevenção de ocorrências ou doenças associadas à atividade desportiva, que poderá condicionar a vida de um jogador/trabalhador.

Departamento de Segurança no Trabalho

Cada vez são mais as pessoas que se unem na tentativa de manter um estilo de vida mais saudável, aproveitando os benefícios dos alimentos e de algumas atividades físicas para o nosso corpo e espirito. Ao contrário do que muitas pessoas pensam, são necessárias apenas pequenas alterações para melhorar a nossa saúde.

 

Os frutos secos contém uma grande quantidade de ácidos gordos, que são benéficos, quando consumidos em quantidades moderadas e, de preferência, sem sal. Uma mão cheia de frutos secos, ingeridos diariamente, é suficiente para receber os muitos benefícios que eles nos podem proporcionar.

Os frutos secos são uma boa fonte de proteínas, sendo complementos importantes numa dieta, além de ajudarem a combater o “colesterol mau” (LDL), protegendo-nos de doenças cardíacas.

São ricos em cálcio, potássio, ferro e zinco, sendo uma boa fonte de energia, pelo que, consumir uma porção duas horas antes de fazer exercício, irá certamente ajudá-lo.

A sua capacidade, como fonte de energia, torna-os também grandes aliados para estudantes e trabalhadores. Um lanche composto por frutos secos irá mantê-lo ativo durante as últimas horas do dia.

Além disso, são também uma boa fonte de antioxidantes que nos ajudam a combater o envelhecimento das células e a lutar contra a produção de radicais livres, responsáveis por doenças, nomeadamente, cancro.

Os frutos secos melhores para o nosso organismo são as nozes, o amendoim, o pistacho, as amêndoas e o caju. Se quer multiplicar os seus benefícios, sem somar demasiadas calorias, então prefira as apresentações mais naturais, sem serem fritos e com pouco sal. 

Adicione-os a cozinhados, cereais, sobremesas, saladas e deixe que o seu corpo desfrute de todos os seus benefícios.

O Grupo 4Work